../../_images/multiinfeed1.png

Cenário Brasileiro de Multi-Infeed

No caso do Brasil, a abundancia de recursos hídricos em regiões eletricamente distantes dos principais centros de carga (região Sudeste) torna a alternativa de escoamento da geração dessas usinas por meio da transmissão em corrente contínua como a alternativa técnico-econômica mais atraente.

Desde 1984, as regiões Sul e Sudeste do país estão interligadas por meio de dois bipolos CCAT de 3150 MW, cujas estações inversoras localizam-se em Ibiúna 345 kV. Nos estudos de alternativas das interligações Norte-Sudeste, a transmissão em corrente contínua mostrou-se a melhor alternativa técnico-econômica no escoamento da energia do aproveitamento hidrelétrico do Rio Madeira, através de dois bipolos de 3150 MW associados às UHEs Santo Antônio e Jirau. No escoamento da geração de diversas usinas do Norte e Norte, sobretudo da UHE Belo Monte (11GW), também adotou-se a alternativa CCAT através de dois bipolos de 4000 MW chegando na região Sudeste.

As estações inversoras dos seis bipolos supracitados se encontram na mesma região geoelétrica, acarretando uma configuração denominada multi-infeed, que representa múltiplas alimentações em corrente contínua com subestações inversoras eletricamente próximas. Atentando ao fato de que o conversor CCAT LCC é o tipo de conversor utilizado nos seis bipolos CCAT do SIN.

Esta configuração representa uma condição favorável para o aparecimento de fenômenos de interação entre os elos CCAT. A análise do comportamento dinâmico de tais sistemas avalia o modo de interação dos elos CCAT uns com os outros e com o sistema CA como um todo, pois à medida que o número de linhas de transmissão CCAT aumentam, são esperadas interações multi-infeed, que podem acarretar múltiplas falhas de comutação, levando à perda de grandes blocos de energia simultaneamente e graves consequências relacionadas à estabilidade angular e de tensão do sistema.